Cabeamento e Conexões

Hoje é tão cômodo conectar seu notebook ou smartphone à uma rede wireless (do inglês, wire less, menos fio) para então se conectar à Internet que muitos até esquecem que cabos existem. Mas, o cabo ainda está longe de ser substituído totalmente por soluções sem fio (rádio, infravermelho, satélite ou micro-ondas). Na realidade, é bem possível que ele nunca seja totalmente substituído e prova disso são os cabos de fibra ótica submarinos, que conectam os continentes, ou seja, conectam todo o mundo.

As redes locais (LAN) atuais utilizam, quase que totalmente, cabos tipo par trançado o famoso cabo UTP, (do inglês, unshielded twisted pair – par trançado não blindado), que mesmo possuindo diversas categorias, são compatíveis entre si, o que facilita sua manutenção e migração. O cabo coaxial, que ainda é muito utilizado em, principalmente, transmissões de sinais de radiofrequência para rádio e TV (áudio e vídeo), foi o meio de transmissão pioneiro nas primeiras redes de computadores, mas que deu lugar ao de par trançado, que é mais fino, flexível e ainda suporta velocidades muito maiores. E, no topo desta lista temos a fibra ótica, um tipo de cabo construído com fibra de vidro que transforma o sinal elétrico em luz e que consegue atingir velocidades de transmissão e larguras de banda muito superiores aos cabos de cobre, mas, que mesmo com todas essas vantagens, ainda é um cabo secundário em redes locais, sendo utilizado principalmente em backbones (trechos de alta velocidade) como em link entre redes.

Abaixo estão alguns vídeo sobre cabeamentos e conexões:


Animação do mapa mundial de cabos de internet submarinos

Cabos submarinos de Internet (em inglês):

Como é um cabo submarino de Internet (em inglês):

*Com informações de: Carlos E. Morimoto – A evolução do Cabeamento