O que a bike pode ensinar sobre o mundo corporativo e, especialmente, sobre a vida

O grande objetivo deste artigo não é de (somente) descrever os benefícios sobre pedalar ou de como a bicicleta (bike) é uma ferramenta muito importante para construirmos um mundo melhor e mais saudável, mas, de trazer sete lições que aquela pedalada frequente pode ensinar, tanto no ambiente de trabalho, como na vida.

1 – Acorde cedo e vá pedalar!

A primeira lição parece muito óbvia, mas, quem é que nunca perdeu uma disputa para a cama quentinha e deixou de fazer algo que gostaria de ter feito? Acordar cedo, para fazer qualquer coisa, não é uma tarefa fácil. Mas, acredite, quando você estiver no caminho, você não se arrependerá de ter sido forte e vencido aquela grande vontade de ficar na cama ou de não sair de casa.

Todo mundo tem dias bons e dias ruins, em que não temos muita vontade de praticar um esporte ou de começar a trabalhar, portanto, não se julgue se de vez em quando você perder esta batalha. Mas, lembre-se: se você quer realmente fazer algo, mudar seus hábitos e se desenvolver, tanto no pessoal como no profissional, você precisará ter automotivação e resiliência. Você precisa agir. Portanto, acorde mais cedo (quanto mais cedo você sai, além de menos trânsito e sol forte, mais cedo você volta) e vá pedalar. Como diz o velho ditado popular: “Deus ajuda quem cedo madruga”.

2 – Todo mundo anda bem nas descidas. O problema mesmo são as subidas!

Não há nada melhor que encontrar uma descida durante o trajeto, não é verdade? Como diz outro ditado popular, “na descida todo santo ajuda”, ou seja, na descida, todo mundo vai bem! Mas, são as subidas que revelam aqueles que estão mais preparados e mais fortes. É ali que os mais fracos e os menos preparados ficarão para trás.

No trabalho é a mesma coisa. Quando as coisas estão bem, todo mundo vai bem, mas, quando os problemas surgem é que as pessoas mais fortes e mais preparadas são reveladas e se destacam. São nestes momentos que você percebe que o preparo, a automotivação e a resiliência valeram a pena.

3 – Todo trajeto tem descidas e subidas.

A não ser que você more no litoral, é muito provável que nos caminhos que você percorra você encontre descidas e subidas. Não tem caminho somente plano ou que só tem descidas, nem caminho que só tem subidas. Em qualquer caminho você precisará pedalar a bicicleta o tempo todo, caso contrário, ela vai parar em algum momento. Em alguns trechos mais (subidas), talvez muito mais, a ponto de desistir. Mas, sem dúvida, em algum momento as coisas estarão mais fáceis, mais leves (descidas) e você até poderá parar de pedalar por um tempo. Aproveite cada um destes momentos.

No trabalho ou na vida, temos fases e momentos ruins e fases e momentos bons. Cada uma destas fases ou momentos, podem trazer bons aprendizados, portanto procure ver o lado bom das coisas. Viver sem problemas é uma utopia, por isso, esteja preparado, especialmente para as subidas.

4 – A prática leva à aprendizagem e ao desenvolvimento.

A frase vem de outro famoso ditado popular que “a prática leva à perfeição”. Como (eu imagino que) ninguém aqui quer ser perfeito (se é que é possível ser perfeito ou fazer algo com perfeição), podemos seguir com o raciocínio que quanto mais você praticar, mais aprenderá e mais se desenvolverá. A bicicleta é perfeita para compreender e provar essa teoria. Você começa a pedalar algumas quadras, por alguns minutos. Alguns dias depois, sente-se à vontade em pedalar alguns quilômetros. Depois de algumas pedaladas por aí, de experimentar novos trajetos e até mesmo distâncias maiores, você sentirá que pode ir ainda mais longe.

No ambiente de trabalho, a situação é a mesma. Quanto mais você praticar, mais experimentar novas tarefas ou novas responsabilidades, mais se sentirá preparado para novos desafios.

5 – Não espere a bike ideal para começar pedalar.

Como é sabido, pedalar faz muito bem à saúde. Você emagrece, se mantém em forma, fortalece sua musculatura e sua resistência. E você não precisa da bicicleta dos seus sonhos para começar a pedalar. Qualquer bicicleta tradicional já é suficiente para você fazer passeios pelas calçadas ou parques da cidade, ou pelas estradas de chão de locais mais distantes. Lembre-se: pedalar apenas alguns quilômetros é muito melhor do que não pedalar nenhum quilômetro. Pense nisso na próxima vez que perceber que perdeu tempo navegando na Internet ou nas redes sociais, ou vendo uma série qualquer que pouco acrescentará a sua vida.

No trabalho e, muitas vezes, na vida, esperamos por alguma coisa ou por algum momento ideal para começarmos algo novo ou para mudarmos algum comportamento. Não espere! O momento é agora.

6 – Você pode ter uma bike excelente, mas, ainda assim precisará pedalar.

Mesmo que você tenha a bicicleta dos seus sonhos ou a mais cobiçada da loja, você ainda vai precisar pedalar, trocar as marchas e tomar decisões sobre a configuração usada, a todo momento. Além disso, ainda vai precisar dar a manutenção necessária para que as peças da bicicleta não estraguem ou deixem de funcionar corretamente.

No trabalho, você pode ter as melhores ferramentas, o melhor computador ou o melhor software. Se você não usá-los adequadamente ou não revisar processos e metodologias com frequência, os seus resultados não serão satisfatórios e, em algum momento, sua bicicleta vai parar de andar.

7 – Pratique o esporte e faça novos amigos.

Você pode pedalar sozinho, claro. Inclusive, para criar uma rotina e praticar com mais frequência, pode até ser mais fácil se você se organizar sozinho. Mas, aquele pedal mais longo, mais difícil, em um local mais desconhecido ou em um novo local, sem dúvida será uma experiência ainda melhor, mais divertida e segura, se você estiver com outros bikers. Pedalar com amigos ou colegas de esporte é algo sem igual, já que você tem a oportunidade de conhecer novas pessoas, de conversar sobre técnicas, sobre análises de bicicletas e acessórios e sobre dicas gerais (caminhos, roupas, alimentação e outras). Além disso, você estará mais seguro (em um grupo de pessoas) e ainda pode contar com estas pessoas para resolver algum problema de percurso, como uma queda ou um pneu furado.

No mundo corporativo e na vida, o cenário é exatamente o mesmo. O dia a dia vai depender de você, sem dúvida nenhuma. Mas, se você tiver bons amigos e bons colegas de trabalho (o famoso networking), você se desenvolverá mais rápido, aprenderá coisas novas e que talvez você jamais aprenderia se estivesse sozinho, terá mais sucesso em seus projetos (trabalho em equipe) e ainda pode contar com eles (especialmente os amigos mais próximos), para ajudá-lo (ou aconselha-lo) com os perrengues da vida (que não são poucos). Como diz um outro ditado popular, “quem tem amigo, tem tudo”.


Para fechar este artigo e comentar um pouco mais sobre os benefícios da bike e como ela pode ajudar a tornar o mundo melhor, trago o comentário de  Will Norman, comissário de caminhada e ciclismo de Londres, capital da Inglaterra e do Reino Unido:

A maneira como as pessoas se deslocam pelas cidades nunca mais será a mesma, vamos ter um ‘novo normal’. Os sistemas de transporte público não podem funcionar em plena capacidade. Se as pessoas optarem por carros em massa, teremos um colapso no trânsito e um aumento na poluição do ar, a última coisa que precisamos em meio a uma pandemia é de doença respiratória. A solução é caminhar ou andar de bicicleta. (Will Norman)

Eu (Daniel Scota), usando roupas adequadas para a prática do ciclismo, de capacete e óculos, em frente a Lagoa Azul, em Campo Magro.
Fotos do meu amigo e parceiro de pedal Marcos Osiowy (https://www.strava.com/athletes/59166397)

Nas fotos deste post, estou na Lagoa Azul, em Campo Magro – PR. Pedalamos de Curitiba à Campo Largo e então fomos à Campo Magro (que são cidades vizinhas), na Lagoa Azul (Parque Ecológico Campo Magro), uma antiga pedreira que é um ponto famoso entre os praticantes de bike e caminhada, desta região. Um trajeto de cerca de 80 quilômetros, realizado em aproximadamente 4 horas (detalhes abaixo).

Imagem que descreve as informações e estatísticas do pedal realizado entre Curitiba e Campo Magro em Novembro de 2021. Distancia: 81 km. Tempo: 3 horas e 51 minutos. Elevação: 1176 metros. Velocidade média: 21 km/h
Pedal: Curitiba / Campo Largo / Campo Magro. Estatísticas do Strava e do relógio Garmin.
Para leigos:

– Bike: termo em inglês para motos (motorcycle) ou bicicletas (bicycle), que se tornou um apelido oficial para as bicicletas no Brasil. Um outro apelido bastante carinhoso e famoso para bicicleta é camelo;
– Biker: aquele que pratica ciclismo, ou seja, aquele que pedala a bike;
– Pedal: apesar de ser um componente da bicicleta (onde se apoia o pé para, através de um movimento de força, fazer com que a bicicleta se movimente), o termo “pedal” se refere ao ato de pedalar, ou seja, de ir andar de bicicleta;
– Pedalada: também é um termo usado para se referir ao passeio realizado de bicicleta.

 

*Com referências de: Uol – Coluna da Rosana Jatoba – O uso da bicicleta na reconstrução de um mundo melhor, Pedal.com.br – França e RU apostam na bike para recuperação depois da pandemia.

Este artigo também está diponível no Medium.

2 Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.